Yoga


“Yoga é a psicologia da alma. É o resultado do desenvolvimento de uma prática psicológica que foi transmitida de mestre a discípulo, e de lábio a ouvido durante milénios e suas origens estão perdidas através do tempo”.

Yoga é um método, uma ciência e uma filosofia prática do controlo da mente, tranquilizando as turbulências mentais, para que possamos vislumbrar a nossa verdadeira natureza. É também um dos mais antigos e refinados sistemas desenvolvidos para a recuperação da saúde física e mental dos seres humanos. Nasceu na índia há mais de 14.000 mil anos atrás.
Yoga deriva da raiz sânscrita ‘yuj’ que significa união, junção, no sentido de re-ligação.
Yoga é a transformação da consciência humana em consciência divina. É uma filosofia prática que permite ao ser humano acordar de seu sono e vivenciar a felicidade permanente que ele é.
O ser humano, não percebendo que ele já é a felicidade, busca incessantemente esta felicidade fora de si, nos objectos externos. Mais cedo ou mais tarde, percebe que a causa do seu sofrimento está na limitação de sua mente, e que a felicidade não é encontrada fora, mas em cada momento em que está consigo mesmo, sem desejos, sem pensamentos, em paz.
Um pouco da história…
O Yoga Sutra, texto clássico sobre Yoga, inicia com a seguinte definição sobre Yoga: Yoga é a suspensão dos processos mentais. (Yoga Chitta-vrittti nirodhah). A mente oscilante é o grande obstáculo à percepção do Eu Real. Segundo o Vedanta este Eu é a base de tudo o que existe e sem esse Eu, que é consciência, a mente não seria possível, mas a mente não é real e encobre o Eu. Por essa razão o Yoga tem por objectivo interromper esse fluxo de pensamento e a identificação com a mente, percebendo assim a base da mente que é a consciência e alcançar o Samadhi (união, êxtase, super consciência).
O Yoga citado nos Vedas é integral, sem divisões. Usar somente o termo “Yoga” deveria indicar que se está abordando o Yoga na sua totalidade. Mas hoje erroneamente se usa o termo e se fala somente do primeiro degrau do Yoga que é o Yoga corporal. Isto acontece porque esta é a porta de entrada do Yoga. Infelizmente muitas linhas de Yoga ignoram os próximos passos a serem trilhados pelos verdadeiros yoguis.
“Tempo houve em que desprezei o corpo mas então
vi Deus dentro de mim. Percebi que o corpo é o templo do Senhor,
e comecei a preservá-lo com infinito cuidado.”

                                           BHOGAR- Kundalini Yoga - sec.XVII

“A mente é como o vento. O corpo como a areia.
Se voce quer conhecer o vento, observe o movimento da areia.”
Hatha Yoga é um sistema de técnicas psicossomáticas que servem de instrumento para transformar o corpo físico num corpo divino.
As impressões da mente registam-se no corpo, em forma de tensões e flacidez, condicionando o carácter e posteriormente podendo causar doenças psicossomáticas. O Hatha Yoga é uma ramificação do tantrismo, é o sucessor imediato do culto Sidha do tantrismo que promoveu o culto do corpo ou compreensão através do corpo. A ideia central deste caminho é que o corpo não é um obstáculo à iluminação (como era afirmado em tempos pré tantricos), mas o templo do divino. A primeira intenção do Hatha Yoga é preparar o corpo para práticas mais avançadas e para a subida da kundaliní (para que não haja um curto circuito). O Hatha Yoga revive o ideal antigo e popular da imortalidade no corpo, a compreensão de que a iluminação deve ser alcançada em vida e não após a morte, para tanto é necessário o corpo saudável, vitalizado e vida longa.
Consta que o fundador do Hatha Yoga foi Gorakshanata e atribui-se a ele duas obras: Hatha Yoga e Goraksha Sanhita, das quais conserva-se somente o segundo texto. Seu mestre é o lendário Matsyendranatha, um dos 84 perfeitos siddhas. Numerosas lendas têm sido criadas ao redor destes dois mestres, e é difícil extrair delas as realidades históricas. Entre os manuais de Hatha Yoga baseados nas obras de Goraksa estão o Siva-Samhita, o Gheranda-Samhita, o Hathayoga Pradipika, o Yoga-Yjnavalkya e o Yoga-Cudamani-Upanisad. O Goraksa Samhita o mais antigo texto sobre Hatha Yoga expõe sua sadhana em 6 partes.
O Yoga, ou processo espiritual, sempre foi comparado a um fogo purificador que consome a personalidade egóica (do ego), até deixar somente a Identidade transcendental (consciência testemunha).
A personalidade egóica luta desesperadamente para sobreviver. A mente e seus conceitos, não desejam ser questionadas e criam artimanhas para sobreviver. Mas a mente precisa morrer para que o Si Mesmo Transcendente possa brilhar. Para isso devemos submeter-nos ao fogo purificador do Yoga. È necessário uma disciplina constante e ardente. O despertar da kundaliní é dito como o despertar do fogo serpentino.
O fogo (agni) é produzido pela fricção de dois pedaços de madeira: um bastão mantido verticalmente e uma base horizontal. O girar do bastão superior, considerado o pai de Agni, faz brotar, no ponto de fricção, a faísca que inflama a base, considerada a mãe de Agni. A manifestação do fogo é, portanto, o resultado de uma fricção entre duas forças opostas, comparada ao acto de procriação. Como o pote de barro cru é dissolvido pela água do rio, o corpo é destruído pela morte. Mas se o pote estiver cozido não se dissolverá. Portanto submeta o corpo ao fogo do Yoga, a fim de purificá-lo e fortificá-lo.
O esforço ou Sadhana é a disciplina ardente (Tapas) que vai permitir ascender o fogo serpentino (kundaliní). Este mesmo fogo é representado também no fogo sacrificial dos rituais Védicos (Atharvaveda), onde o Deva ou princípio divino se torna manifesto e se eleva pela oferenda contínua. O sacrifício ou esforço é um dos fundamentos da doutrina Védica.
O que os textos védicos chamam de fogo, está longe de limitar-se apenas ao nosso conceito físico. O fogo representa o princípio da vida, de calor, de consciência, oculto em todos os seres. Como citam os textos: “o fogo habita escondido na terra, nas plantas, nas pedras e as águas o arrastam. Há um fogo encerrado profundamente no homem, um fogo nas vacas, um fogo nos cavalos.” Em outro trecho diz: “Ele permanece oculto ainda que suas chamas sejam brilhantes. Este fogo citado é a identidade única: Deus ou consciência que tudo ilumina e não é iluminado por nada. Reconhecer a si mesmo é Yoga. O objectivo do Yoga é Moksha, a liberação do Samsara (ciclo de nascimento e morte), é encontrar a imortalidade ou reconhecer o Ser Imortal que somos.
ASANAS – BENEFÍCIOS
Asana é uma palavra Sânscrita (em devanagari) que significa "sentar". Patanjali, no Yoga Sutras descreve asana como sentar em posição firme e confortável para a contemplação (ou meditação), onde a contemplação é o sadhana (o caminho) para se compreender a si. Reconhece-se no contexto moderno, o asana, como o nome dado as posições realizadas na prática do yoga a fim do obter-se o desenvolvimento e aperfeiçoamento (físico, mental e espiritual).

         São reconhecidos 84.000 asanas, sendo 84 mais importantes, 32 fundamentais e 7 elementares. A maioria dos asanas, estão associados a animais, aspectos da natureza e símbolos. O Gheranda Samhita emprega 32 asanas e 25 mudras incluindo fechamentos ou compressões chamadas bandhas.
O conceito de asana do Hatha Yoga, portanto, é diferente do conceito fornecido pelos Yoga Sutras - Texto sobre Raja-Yoga ou Yoga meditativo.
No Hatha Yoga o Asana deve ser aplicado com determinado objectivo de forma a não causar lesão, respeitando os limites do praticante.
De uma forma geral o Hatha Yoga se mostrou para nós ocidentais como um Yoga terapêutico que visa manter a saúde do praticante ou recuperá-la. Desta forma, todas as posturas são expostas com seu efeito no físico, que é devido em primeiro lugar ao massageamento dos órgãos internos e efeito circulatório.
Através desses massageamentos e activação circulatória todo o corpo é afectado positivamente, a equilibrar e melhorar a função de todos os sistemas (respiratório, circulatório, nervoso, muscular, articular, endócrino, exócrino, de reprodução, digestivo, de excreção e urinário).
Os asanas do Hatha Yoga são utilizados como terapêutica para várias doenças como: asma, depressão, angústia, ansiedade, prisão de ventre, problemas digestivos, etc., e para a correcção postural. A correcção postural é essencial para a saúde em geral, assim como para a correcta energização dos chakras e para a subida da Kundaliní. Pode ser benéfica em desvios como lordose, cifose ou escoliose.
O tamanho das pernas e a posição da bacia influenciam toda a postura. Portanto, a correcção postural começa com a correcção da bacia. Após é necessário um correcto balanceamento muscular (músculos antagonistas com a mesma força e tónus).
  • Os asanas actuam na musculatura com um efeito de tudo ou nada, isto é, com a permanência na posição - o estímulo nervoso é suficiente para contrair ou alongar todas as fibras musculares.
  • As contracções são Isométricas, isto é, todas as fibras musculares mantêm a mesma medida. Esse tipo de contracção estimula todas as fibras nervosas e consequentemente todas as fibras musculares se contraem, dessa forma todos os capilares se abrem para receber uma grande quantidade de sangue, o que estimula a circulação sanguínea na totalidade. Na contracção os órgãos tendinosos de Golgi são estimulados produzindo relaxamento posterior. A contracção isométrica desenvolve resistência muscular (superior à força desenvolvida pelos exercícios, com tensão e relaxamento) e tónus (semelhante aos halterofilistas).
  • O alongamento é bastante enfatizado, aliás o alongamento nasceu do Hatha Yoga. No alongamento o músculo é estirado até o comprimento máximo e mantido por um determinado tempo, é este tempo juntamente com a concentração e o relaxamento induzido pela mente que propicia o alongamento máximo e o relaxamento muscular posterior, pois o músculo alongado permanece relaxado por mais tempo. No alongamento o sangue é jogado para fora do músculo (neste o músculo não necessita de nutrientes).
  • A alternância de tensão e alongamento propicia um relaxamento completo, circulação renovada e elasticidade muscular, ou seja, o estado saudável da musculatura.
  • As articulações são trabalhadas na sua totalidade com movimentos amplos em todos os sentidos que as articulações permitem. Estes movimentos aumentam a flexibilidade.
  • Os ossos também são beneficiados pelos movimentos. Sabemos que para evitar a osteoporose o exercício é fundamental (juntamente com a alimentação rica em cálcio). A movimentação óssea também é importante para a circulação, porque é na medula óssea de alguns ossos que é produzido o sangue.
  • Músculos são massageados pela alternância de contracção e alongamento citados anteriormente. Na contracção o músculo se enche de sangue e no alongamento o músculo é esvaziado de sangue, esta alternância faz renovar completamente a circulação no músculo.
    Nos órgãos as pressões e as descompressões estimulam a circulação e o funcionamento dos órgãos e glândulas.
  • Os asanas estimulam a respiração diferenciada. Alguns favorecem a respiração abdominal, outros a respiração torácica e outros a clavicular, e ainda respiração em um ou outro pulmão nas diferentes fases respiratórias. Todas estas variações vão favorecer a respiração completa. As pessoas em geral respiram mal e usam somente 1/3 da capacidade pulmonar.
  • Da mesma forma como nos músculos, com pressões e descompressões, a circulação é activada regulando a função destes. A circulação nestes órgãos também é activada pelo efeito da gravidade.
  • Quando o músculo relaxa o sistema nervoso também relaxa. A respiração e a circulação também têm um grande efeito no sistema Nervoso. Quando o sangue está alcalino (com mais oxigénio) o sistema nervoso parassimpático é activado, relaxando. Quando o sangue está saturado com gás carbónico, e consequentemente com produtos catabólicos retidos, o sistema nervoso simpático é activado. Nossa geração stressada é Simpático tónica.

TIPOS DE YOGA
·        Yoga corporal - Hatha Yoga, esta é a linha mais conhecida e é originária do Tantra Yoga. Hoje existem muitas linhas de Yoga que trabalham com o corpo, e todas têm sua origem no tantra e no Hatha Yoga. Esta linha visa o estado de equilíbrio físico, emocional e mental do indivíduo e reconhece que o corpo é uma expressão do estado emocional e mental, portanto, o ponto de registo. Este, por sua vez, condiciona a mente através de seus registos em forma de couraças e flacidez. Assim o Yoga corporal é uma terapia que parte do corpo - somatologia. Os textos específicos e originais de consulta são: Shiva Sanhita, Goraksha Sanhita, Gheranda Sanhita, Hatha Yoga Pradipika, Tantra Santras... Desta linha corporal, muitas vias de Yoga foram criadas. Diz-se que já existem mais de 108 vias. A ideia central deste caminho é que o corpo não é um obstáculo à iluminação (como era afirmado em tempos pré-tantricos), mas o templo do divino. A primeira intenção do Hatha Yoga é preparar o corpo para práticas mais avançadas e para a subida da kundaliní. O Hatha Yoga revive o ideal antigo e popular da imortalidade no corpo, a compreensão de que a iluminação deve ser alcançada em vida e não após a morte, para tanto é necessário o corpo saudável, vitalizado e vida longa. De acordo com as Upanisads o significado da palavra Hatha é Ha= sol e tha= lua, simbolizando a união de dois pólos. A enfermidade surge quando uma das polaridades predomina. Esta linha de Yoga é uma forma de terapia para se alcançar o equilíbrio e a perfeição. Qualquer linha de Yoga corporal teve sua origem no tantra e no Hatha Yoga e tem por objectivo preparar a mente para o estudo (Jnana Yoga) e compreensão de que já somos aquele ser absoluto, livre de problemas e limitações, o ser pleno e feliz que tanto buscamos.
  • Yoga sexual - Vama Tantra Yoga, (compreende técnicas de controle do orgasmo para fins de transcendência ou comunhão divina - êxtase) Seu texto original - os Kama Sutras - não é totalmente conhecido fora da Índia por ser preservado.
  • Yoga social - Karma Yoga . Esta é a via para toda e qualquer pessoa, pois é o yoga da acção. Recomenda a escolha da acção mais correcta e a aceitação do resultado da acção que sempre é adequado à acção (vem conforme leis). Através desta atitude mental se conquista o conhecimento da própria mente: os valores pessoais. Estes são reformulados de acordo com os valores universais, harmonia na sociedade, maturidade, tranquilidade mental. Com relação à própria pessoa, as acções Dharmicas (correctas) modificam o karma negativo (pãpa) em mérito (punnya), que vão conduzir o indivíduo rumo ao auto-conhecimento. O texto é a Bhavagadgitã. Esta linha vai conduzir ao Bhakti e Jnana Yoga. A Gitã apresenta 3 caminhos: Jnana Yoga (cabeça - conhecimento), Karma Yoga (mãos - acção) e Bakthi Yoga (coração - amor), estes três estão inter-relacionados.
  • Yoga Devocional - Bhakti Yoga (inclui Mantra Yoga, Pujã, ritual simples). Esta via de Yoga é a via do amor. Parte do Bhakti dualista, ou seja a adoração ao mestre pessoal (um ser perfeito como pretendo ser), e progride para o Bhakti não dualista, quando acompanhado do Jnana Yoga ou Advaita Vedanta. No Bhakti não dualista, posso apreciar a expressão do Criador na ordem e nas leis que são perfeitas, assim o meu altar passa a ser o mundo e o amor passa a ser incondicional.
  • Yoga do Auto-conhecimento - Jnana Yoga. Esta via é baseada na parte final dos Vedas que são as Upanisads, que tratam da investigação para compreensão de quem somos nós. O método oferecido ali é conhecido como Advaita Vedanta e segue uma linhagem de Sankara, um grande mestre da Índia.
  • Yoga Meditativo - Raja Yoga. Esta linha foi codificada por Patanjali (mesmo método escrito nos Vedas) e seu texto é o Yoga Sutras, que também é chamado de Yoga Clássico.
Estas são as linhas tradicionais de yoga. O yoga corporal é a porta de entrada para que a pessoa possa vivenciar o yoga na totalidade. Infelizmente hoje existem divisões e divisões originárias do Tantra e Hatha Yoga e pouco aprofundamento nas outras linhas tradicionais.
Todos os métodos tradicionais do Yoga comprovaram a sua eficiência, através dos mestres que alcançaram o estado maior do Yoga que é o Samadhi ou Moksa, a liberação do ciclo de nascimentos e mortes.
Qualquer método, dito moderno, nasceu do método tradicional. Por esta razão devemos estar atentos sobre linhas modernas de Yoga, que na verdade, acabam sendo uma mistura de “um pouco de yoga” com outras práticas corporais, acrescidas de um grande marketing. A depender do objectivo de cada um com a prática isso alerta que nem toda a prática disponível hoje tem condições de levar ao moksa. Sabemos hoje que o que vende é o diferencial, mas quando se trata de Yoga isto não é possível. Não é conveniente limitar e distorcer o Yoga pelo simples fato de não conhecê-lo na totalidade.
METOLOGIA BÁSICA DA PRÁTICA/AULAS:
·        Kriyas e Sat Karmas: processos de purificação do corpo denso e subtil (Nadis).
·        Asanas: posturas físicas isométricas que trabalham força e alongamento muscular.
·        Prãnãyãma: exercício respiratório/ relaxamento direccionado e controlo do prana (energia vital) com fim específico.
  ·        Mudrás: asanas com bandhas (contracções específicas), mudrás (posicionamento das mãos com o fim de direccionar a energia). As mudrás tem efeito mais intenso que os asanas.

·        Meditações Tantricas - com utilização de yantras, mandalas e mantras.

Sugestão de prática em Leiria:
Sugestão de prática em Fátima: